terça-feira, 16 de junho de 2020

9B VERSUS CANOA
João Cândido Martins

Essas quadras da direita pertenciam
À galera do Bloco 9B
Aquelas outras do poste pra lá
Território do pessoal do Canoa
Moçada extremamente tranqüila
Muito
Mas muito
Gente boa

Até que um dia o Luciano Farela
Meio-irmão do Loreno lá do Canoa
Conheceu uma mina do tipo daquelas
Daquelas 
Com quem ninguém zoa

Era a Sandra, namorada do Benê
Líder e mentor da galera do 9B

Sandra era tudo que uma mulher pode ser
Caminhava distraidamente altiva
Dos seus olhos verdes vertia todo o prazer
De ser livre e flanar viva

Um dia numa quebra ela esbarrou no Farela
Segundo a Sandra meio sem querer
Um contato de pele daqueles que a alma gela
Ou se ignora ou se paga pra ver

Ele, por sua vez, viu nos olhos dela o verde sentido da vida
Um pleno alvorecer do seu desejo
Dos seus problemas, uma eventual saída
Mas ela recusou aquele beijo
Ficou atônita, vermelha, constrangida

Sem noção ele pegou no braço da menina
Daí rolou todo aquele alvoroço
Em pleno horário de almoço
O momento de maior embaço
Teve bate boca e xingamento
Uns caras intimando pra sair no braço

Mas o Farela conseguiu voltar pro Canoa

Sozinho no seu quarto, o Farela ficou com medo
Mas depois, com a galera, mudou de atitude:
Minha vida é um livro aberto, sem segredo
Peixe ensaboado não se aluga, e nem se ilude

Jurou por Deus que era inocente lá da treta
Segundo ele a mina tava viajando
Com coisas escondidas lá no fundo da gaveta

Alegou que a menina vivia na cola dele
Jurou pelo sagrado
Que foi tudo armação
Olhando pro mais alto céu gritou:
Se isso for mentira, que Deus me leve então

Deus nada falou

O Residencial Canoa em peso apoiou
Dos olhos da galera irradiou aquele fogo
E a moçada entrou numas de horror
O bom nome do lugar foi posto em jogo

Até hoje todo o bairro fala
Da luta 9B versus Canoa
Briga de soqueira, faca e bala
Briga sem motivo, quase à toa

Inclusive, a polícia ficou de fora
Com essa gente nem ela se mete
Até a polícia que sempre adora
Chega apavora e leva uns sete

O Farela não durou muito tempo
Levou três socos, logo foi ao chão
Alvo de inúmeros chutes
O coitado gritou como grita um cão

O Benê do 9B determinou: agora a gente vai até o fim
A galera quase amarela
Matar um cara de bobeira ninguém é afim
Mas nenhum dos manos que batiam no Farela
Achou 
De achar 
Ruim

Porque Benê agora era rei
Porque Benê agora falava mais alto
Era ele quem dizia o que era lei
Em cima daquele asfalto

Agora era ele quem dizia o tudo e o nada
Agora era ele quem mandava em toda aquela parada aquela parada aquela parada aquela

Benê reinou dois anos
No 9B e no Canoa
Porém cometeu um grave engano
Daqueles que a mente atordoa

Foi traído pela própria Sandra
A quem devotava seu amor
Agora ela somente anda
Com um tal de Norberto Nestor

Benê nunca mais entrou em brigas
Esse foi o término da sua lenda
Devorado por formigas
Ele que com Deus se entenda












Sem comentários:

Publicar um comentário